26/04/2008

Moneyland Record$

No final de 1991 surgiu na revista do jornal Expresso um anúncio de página inteira que dava conta das edições para o ano seguinte de uma editora desconhecida até à data, com o sugestivo nome de Moneyland Records. Tratava-se de um anúncio fictício da autoria de João Paulo Feliciano composto por 10 discos que o artista/músico gostaria que fossem editados.
O que nasceu como um projecto artístico pontual para as páginas da revista, materializou-se um ano depois numa editora independente com o mesmo nome. O primeiro lançamento foi um triplo single com 6 temas de bandas emergentes - Tina and The Top Ten, Red Beans, Lulu Blind, Cosmic City Blues, More República Masónica, Lesma.
A apresentação ao vivo desta edição deu-se nos espectáculos "Moneyland Comes Alive" realizados em Lisboa e Viseu.
No Verão de 1993 seguiram-se mais duas edições no mesmo formato de 7'' single - “Everslick” dos Tina and The Top Ten e “4 songs” dos Red Beans.
A dimensão editorial associada a uma forte componente gráfica resultante do trabalho dos responsáveis da editora, os artistas Rui Toscano e J. Paulo Feliciano em conjunto com o irmão Mário Feliciano originou um projecto mais globalizante denominado Secretonix no qual a editora se integrou.
O primeiro lançamento em CD deu-se em 1995 com a gravação do célebre concerto dos Sonic Youth no Campo Pequeno com os Lulu Blind e os Tina and The Top Ten a fazerem a abertura. O disco autorizado pela banda norte-americana teve uma tiragem de 1250 exemplares parte dos quais distribuídos no fanclub oficial da banda. A mistura da gravação do concerto ficou a cargo de Rafael Toral e o nome adoptado para o disco - "Blastic Scene" – foi recuperado do anúncio original publicado no jornal Expresso.
Ainda em 1995 sai a segunda edição em formato digital, o disco dos No Noise Reduction - "The Complete NNR", projecto de João Paulo Feliciano e Rafael Toral. A capa do disco é, novamente, recuperada do projecto imaginário publicado anos antes no Expresso.
No mesmo ano sai o último registo publicado pela Moneyland Records “Wave Field” do guitarrista Rafael Toral, que foi reeditado em 1998 por uma editora norte-americana. A imagem da capa do disco remete imediatamente para a capa de “Loveless” dos My Bloody Valentine, levando a experiência sónica para novos limites.